Denise Remor, Nascida em Joaçaba Santa Catarina, depois mudei para Passo Fundo onde me formei em Direito, Hoje sou empresária, tenho dois filhos, moro em Curitiba. Amo livros que sempre estiveram presentes na minha vida. E tanto ler como escreve sempre fizeram parte da minha vida.

1) Como foram os seus primeiros passos como escritor/ escritora? Conta para nós sobre o início de sua carreira?

Livros sempre me fascinaram. Quando se abre um livro é uma passagem para algum lugar, alguma história. Isso me despertou a vontade de escrever. Desde muito cedo escrevia histórias, muito mais para me divertir do que para compartilhar. Foi assim que adquiri o hábito de escrever. contar algo que entendia como engraçado ou interessante

2) Na sua infância, como foi o seu contato inicial com a literatura? Qual estória, livro ou gibi que mais te marcou quando pequeno/pequena?

Lembro de sempre estar cercada por livros. A estória do Chapeuzinho Vermelho era minha favorita. O Menino do dedo Verde de Maurice Druon me fascinou. Há pouco tempo reli. Na adolescência tudo que caia na minhas mãos eu lia. Foi nesta época que li as clássicos.

3) Qual é o estilo de estórias que mais te prende em um livro? O seu gênero literário favorito.

Sou bem eclética nos meus gostos. Leio desde romances, policiais, física, biografias e livros técnicos sobre gestão e governança.

4) Como você tem percebido o perfil da geração atual de leitores, suas preferências e hábitos?

Hábito de leitura se adquire junto com educação. Desenvolvi meu hábito em casa observando meus pais lerem. Meus filhos leem, creio que por terem me observado. Os novos leitores não tenho dados para comentar sobre eles. O que sei, devemos instigar este hábito desde a mais tenra idade. Contando histórias, a imaginação nos leva longe e nos leva aos livros.

5)Para você, qual é o papel do espaço escolar e das bibliotecas na formação de cidadãos, leitores e possíveis futuros escritores e escritoras?

Lembro que frequentei a biblioteca da minha cidade, era um ambiente muito legal. As bibliotecas são lugares de formação e aprimoramento dos cidadãos. Lá encontrei muitos livros bons e como tinha prazo para entrega-los isso acabou fazendo que eu os lesse “dentro do prazo”.  Bibliotecas nos ensinam várias coisas além de ler, que partilhamos o livro, que o ambiente é de respeito, pois precisamos cuidar dos livros e respeitar os outros nos mantendo em silêncio e disciplina.

6) Qual é o recado que você daria para jovens que se interessam pela escrita literária e tem vontade de entrar nesse ramo?

observe seu entorno. O dia a dia é rico em fatos engraçados, trágicos e inusitados. Depois conte estes fatos, claro colocando sua visão e agregando um pouco mais. Os livros acabam sendo um retrato da sociedade, não tenho duvida, nossa imaginação pode transformar algo corriqueiro em algo interessante. Leia, viaje, assista filmes, frequente museus  para ter repertório. O fundamental é ser observador, muitas vezes uma simples nota no jornal ou uma noticia no rádio podem virar uma boa história. O importante é escrever com prazer.